Como construir negócios antifrágeis

Gabriel Araújo
Gabriel Araujo
Head of Customer Success

Criado por Nassim Nicholas Taleb, o termo antifragilidade não é muito comum no mundo dos negócios (tirando, é claro, o ecossistema de investidores financeiros e adeptos do bitcoin, onde ele parece ter se popularizado). Porém, não há como negar que essa palavra é ideal para denominar as empresas que conseguiram não apenas sobreviver, mas se reinventar positivamente depois da turbulência chamada Covid-19.

Antes da pandemia acontecer, os negócios já precisavam de movimentos constantes, pois a todo momento eram surpreendidos por novos players, concorrentes, lançamentos e outros eventos. Conseguia se manter no jogo quem tivesse a capacidade de se adaptar mesmo depois do "choque". Mas, agora, passado pouco mais de um ano desde que a pandemia foi anunciada e o isolamento social começou, ficou claro que companhias com características antifrágeis tiveram menos perdas e melhores resultados em relação às demais.

Um negócio antifrágil não é aquele que consegue sobreviver às mudanças (ou seja, ser resiliente); mas aquele que as compreende, aprende com agilidade e tem flexibilidade para adotar ajustes de rotas que geram benefícios para o negócio. Consequentemente, se torna melhor com os desafios.

A antifragilidade também é diferente da resiliência. Como bem afirmou Taleb, "o resiliente resiste às colisões e permanece igual; o antifrágil fica cada vez melhor. Além dele resistir a esses impactos, ainda se beneficia com eles, tornando-se mais forte", afirmou Nassim Nicholas Taleb em seu clássico Antifrágil – coisas que se beneficiam com o caos.

A pandemia trouxe mudanças críticas sociais e corporativas que afetaram drasticamente o consumo e nível de experiência almejada, o que obrigou muitos negócios a acelerarem seus processos de digitalização. Mercados inteiros precisaram se adaptar e se tornar negócios digitais para atenderem a essa nova realidade.

Uma mudança cultural profunda é um dos pontos fundamentais para se criar negócios antifrágeis. O primeiro ponto é aceitar que no contexto atual de negócios, a imprevisibilidade é constante, sendo a mudança a única certeza. Por isso o modelo de gestão deve ter um mindset ágil em todo ecossistema que viabilize adequações, validações e alterações em toda a cadeia da empresa.

Leia também: Antifragilidade: agente essencial para a Transformação Digital

O segundo ponto é entender que a tecnologia não é mais apenas o meio, mas deve ser incorporada à estratégia do negócio como fator chave para adequar-se ao novo modelo digital. Além de ser o alicerce que permite atender a nova experiência de consumo, suas características permitem agilidade, resiliência e adaptabilidade inerentes da fórmula antifrágil.

Olhando para a evolução dos negócios antifrágeis, estas são três frentes que fazem grande diferença:

Agile & DevSecOps

A adoção de metodologias como agile e devops (agora com novo adendo – sec – oriundo do fator segurança) não é novidade para startups e uma parcela de empresas que estão na vanguarda da digitalização.

Porém, ganharam notoriedade recentemente devido a sua sinergia com tecnologias como cloud, inteligência artificial e desenvolvimento orientado a microsserviços. Para se ter uma ideia, alguns meses após o início da pandemia, 55% das empresas sinalizaram planos para aumentar o uso de metodologia ágil (follow-up survey – 14th State of Agile report).

Hyperautomation

Outra forte tendência é a automação de tarefas que trazem dois benefícios essenciais para qualquer negócio: a agilidade na execução de tarefas (logo impacto na conveniência de uso) e eficiência operacional através de redução de custos atribuindo tarefas de maior valor agregado à equipe.

De acordo com o Gartner, líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, o mercado mundial de software que possibilitam a hiper automação, chegará em US$ 596,6 bilhões em 2022. Para Fabrizio Biscotti, Vice-Presidente de Pesquisa da empresa: "as organizações exigirão mais TI e automação de processos de negócios, uma vez que elas estão sendo forçadas a acelerar os planos de transformação digital no mundo pós-Covid-19."

O termo refere-se a um ecossistema de automações digitais que interagem com sistemas corporativos, pessoas e até mesmo com outros robôs. Logo, apesar do ganho significativo, é preciso ter uma estratégia de automação sólida que considere melhores práticas de governança, processos e tecnologia para que se consiga implementar, escalar e evoluir com sucesso (evitando desastres e descrédito na iniciativa, ocorrência bastante comum em tecnologias de vanguarda).

Human Augmentation

Para complementar a diretriz de "tudo aquilo que pode ser automatizado, deve ser automatizado", temos o novo conceito de human augmentation: empoderar as pessoas e equipes com insumos para que possam tomar a melhor decisão possível dentro de um determinado contexto. No perímetro tecnológico trata-se do mindset data-driven – do uso inteligente dos dados, desde a centralização e transformação em informação útil (de fácil acesso, simplificada), até uso de modelos de machine learning capazes de trazer insights e realizar predições, reduzindo incertezas e vieses, maximizando a probabilidade de uma decisão precisa.

Ou seja, o uso de metodologias ágeis que promovem melhoria contínua e segurança, aliadas às novas tecnologias, especialmente conectadas à automação, como machine learning e inteligência artificial, não só potencializam a transformação digital das empresas, como também são peças fundamentais para a construção de negócios antifrágeis de sucesso.

O que cada empresa precisa refletir para encarar o futuro é: quão antifrágil está seu negócio?

Artigo também publicado em: tiinside.com.br

    01/09/2021
    Como construir negócios antifrágeis

    Gabriel AraujoHead of Customer Success Criado por Nassim Nicholas Taleb, o termo antifragilidade não é muito comum no mundo dos negócios (tirando, é claro, o ecossistema de investidores financeiros e adeptos do bitcoin, onde ele parece ter se popularizado). Porém, não há como negar que essa palavra é ideal para denominar as empresas que conseguiram […]

    LEIA MAIS
    24/08/2021
    O Futuro do NOC (Network Operation Center)

    Gilson MissawaHead de Marketing e Ofertas O que é um NOC? NOC (Network Operation Center ou Centro de Operações de Rede) é uma área responsável por realizar a monitoração ativa da infraestrutura de rede de uma empresa e garantir que ela esteja funcionando de forma adequada para entregar serviços de qualidade e evitar disrupções ou […]

    LEIA MAIS
    24/08/2021
    Desativação das redes 2G e 3G: o que isso significa?

    Rafael UlhoaArquiteto de Soluções Advisor | Custumer Success   Durante minhas últimas férias, me deparei com a notícia que a AT&T nos EUA iniciará a desativação de suas redes 2G e 3G em fevereiro de 2022. E porque estão desativando o 2G e 3G? Custo! É caro manter equipes capacitadas em todas as tecnologias, além […]

    LEIA MAIS

    CAMPINAS

    TEL.: +55 19 3731.8300

    SÃO PAULO

    TEL.: +55 11 3509.3000

    RIO DE JANEIRO

    TEL.: +55 21 3514.5900

    MIAMI

    TEL.: +1 305 424.8946
    A Icaro Tech atua na Transformação Digital das empresas, através de Automação com foco em Eficiência Operacional e Experiência do Usuário.
    linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram